IURD - Escândalos da Igreja Universal

O lado oculto da IURD você encontra aqui.

Recent Tube

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

DITADURA IURDIANA: Igreja Universal teria tentado censurar portal cristão que publicou artigo chamando-a de seita


A Igreja Universal do Reino de Deus teria ameaçado processar um famoso portal cristão internacional se este não retificasse um editorial em que define a denominação do bispo Edir Macedo como uma “igreja não evangélica”.
O imbróglio envolve o portal espanhol Protestante Digital, que após a inauguração do Templo de Salomão, publicou um artigo classificando a Universal como uma igreja não-evangélica. “Fato é que mesmo que a superfície da IURD se assemelhe com as igrejas evangélicas, ela tem muito mais em comum com a Igreja Católica”, diz o artigo do portal, referindo-se aos rituais praticados nas filiais da denominação na Espanha.
O artigo do portal diz ainda que a Igreja Universal utiliza simbologias rejeitadas pela Reforma Protestante e que a teologia da prosperidade promovida pela denominação promove uma mistura que diminui a graça de Deus e a coloca como um bem alcançável através do dinheiro. Por fim, o texto do portal diz que a Universal é uma instituição “empresarial e fraudulenta”.
Esse ponto levou a direção da IURD na Espanha a se manifestar e dizer que “o conteúdo do texto prejudica diretamente a igreja”, que atua como uma “entidade estritamente religiosa evangélica, e registrada como tal”.
Segundo a réplica da Universal, “a fé que seus fiéis professam é evangélica e este é o culto praticado e declaração em sua manifestação de fé”
Ao fim da nota, a Universal ameaça processar o portal Protestante Digital caso o artigo não seja modificado. “É falsa a afirmação de que a Universal se trata de uma entidade envolvida com uma atividade comercial [...] A IURD relata que se a retificação não for feita, se reservará o direito de tomar ‘quantas ações legais forem necessárias’”.
Na matéria em que o portal denuncia a tentativa de censura por parte da Igreja Universal, os editores afirmam que estão amparados pela liberdade de expressão e imprensa. “Temos o direito de explicar por que, em nossa opinião, não concordamos que a Universal não se encaixa na definição ‘evangélica’, sem incorrer em qualquer censura, fazendo o exercício democrático saudável da dissidência”, afirmou Pedro Tarquis, diretor do portal.